Curtidas, conclusões e presságio de morte

0
COM
Abrindo seu armário velho, buscando o CD dos Jonas Brothers em plena terça-feira à noite? Huuuum ... isto não cheira bem.
Ele tem curtido todas as minhas últimas postagens no Facebook. Será que é algum sinal? Será que eu devo me iludir? Ou será que tudo é uma grande obra do meu cérebro idiota que leu durante quatro dias "O Diário de Bridget Jones"?
Tenho certeza que daqui há dois meses (ou até menos) estarei com vergonha desta postagem e provavelmente querendo excluir o blog por causa dela (porque sim, eu sempre tenho meus ataques repentinos de vergonha quando falo sobre a vida amorosa).
Pois bem, vamos direto ao ponto: o que significa quando uma pessoa que você conheceu em Setembro, do nada, simplesmente do nada, começar a curtir tudo que você posta? (desde livros, fotos dos meus gatos, compartilhamentos e tudo mais ...)
Uma revista boba de astrologia diria "presságio de morte"...
O que posso pensar sobre isso?
Depois de muitos anos bloqueando a minha alma para não olhar, gostar ou se apaixonar por nenhum rapaz, eis que agora eu tenho uma leve esperança de que alguém esteja interessado em mim. E por que me bloqueei de conhecer outras pessoas durante tanto tempo? Porque ... como posso ser mais delicada ao explicar isso ... sou uma pessoa feia. Tenho um corpo magro e sou uma ex-gordinha (até aí não vemos problema), mas o meu rosto, ele não é algo bonito, não é algo que orne, podemos dizer assim. E isso faz com que eu sinta uma insegurança das grandes em relação aos rapazes ...
As pessoas me perguntam muitas vezes "E os namorados?" (e essa é uma das perguntas que mais me deixa com as bochechas rosadas de ira) e eu acabo tentando responder que sou boa demais para me relacionar com certos rapazes. Mas a verdade é que interiormente eu me sinto péssima, feia e insegura para que alguém se aproxime de mim.
Sei que existem pessoas bem mais feias do que eu que namoram (pois sempre existe uma metade da laranja, como diz naquela música melodramática-cansativa do Fábio Júnior) mas o grande porém, é que deve brotar de você uma certa segurança, um pensamento de "sou uma mulher forte e poderosa". Só que comigo é diferente, pois me sinto um lixo de pessoa e se alguém gosta de mim eu acabo achando que é uma espécie de pegadinha por parte da pessoa querendo me enganar ou algo do tipo (e pra ser bem franca, pouquíssimas pessoas mostraram interesse por mim ao longo desta minha tenra adolescência).
Já tentei falar isso com psicólogas, psiquiatras, padres ... mas enfim nada fez com que eu mudasse de ideia em relação a minha insegurança. 
E depois de todos esses poréns que escrevo, chego a conclusão que não devo me iludir de forma alguma com essas curtidas no Facebook. E que as pessoas deverão me aguentar por muito tempo solteira e que não venham me jogar indiretas. pois já estou cansada de ser rotulada. Fuck you! 
... 
É tão reconfortante quando você manda alguém para "aquele lugar" no penúltimo dia do ano e ainda por cima tirar um peso das suas costas por perceber que aquelas curtidas não significam nada ... (muitas emoções em um único texto).

O Misterioso Caso de Styles e A Testemunha Ocular do Crime

0
COM
Chega de choros e melodramas! Eis que venho falar para vocês sobre as minhas variações literárias. Porque nem só de drama podemos viver, e sim, muito mais animador ler na época de Natal mistérios indecifráveis, com muita elegância e um toque de humor. São assim as obras desta genial autora inglesa: Agatha Christie.
Faz muito tempo que tenho verdadeira paixão pelas obras dela, e nestas férias, resolvi embarcar mais a fundo nas suas histórias. Nestas última semanas li os livros: O Misterioso Caso de Styles e A Testemunha Ocular do Crime.
Cada obra traz consigo um significado interessante, como O Misterioso Caso de Styles que foi a única (das 16 que já li de Agatha), na qual descobri quem era o verdadeiro assassino. E A Testemunha Ocular do Crime que foi mais uma vez uma daquelas histórias que enganam direitinho, pois eu jamais imaginaria que aquela pessoa seria a assassina.
O Misterioso Caso de Styles foi o primeiro livro da autora a ser publicado. Lançado em 1920, a obra traz a estreia do grande detetive Hercule Poirot, que se tornará um dos seus personagens mais importantes, memoráveis e conhecidos. A história gira em torno da trágica morte de uma mulher que aparentava ter sofrido um ataque cardíaco, mas no fundo, no fundo, era um assassinato. As investigações foram ocorrendo, as suspeitas pareciam indicar para um lado, logo depois mudava-se o foco e você não imagina quem poderia ser o grande assassino. Mas desta vez eu descobri, e é óbvio que não vou contar para você, pois super recomendo que você faça esta leitura nas férias.



A Testemunha Ocular do Crime traz em cena uma personagem muito simpática e esperta: o nome dela é Jane Marple, mais conhecida como Miss Marple. Este livro com certeza vai surpreender demais, pois o assassino é nada mais nada menos que ... bem a pessoa mais improvável do mundo. E o diferencial desta história é que existe uma pessoa que assistiu o assassinato, bem diferente dos outros livros no qual ninguém sequer tem como provar que existe um crime. A história deu muitas voltas, trazendo um pouco de comédia e uma jovem-aventureira-detetive-doméstica Lucy Eyelesbarrow que jamais apareceu nas demais obra da autora.


São duas obras, que trazem a mesma temática (um assassinato ... ou mais de um) mas, com o diferencial da genialidade de Agatha Christie que sempre é capaz de nos surpreender. Você pode ler todas as obras da autora, mas nunca irá descobrir quem é o verdadeiro assassino e como ele realizou tal ato. As descobertas tornam a leitura sempre emocionante e nos prende até a última página.

Agatha Christie é vida gente! Leiam!

Como Eu Era Antes de Você

0
COM
 Jojo Moyes - conta uma história que aos poucos nos envolve
Não quero me ater em fazer resenhas, pois não teria tais condições para isso. Não porque sou péssima para escrever, mas porque esta obra me causou certos danos psicológicos.
Fui talvez um pouco dramática, mas quando terminei de ler a última página do livro, clicando pela última vez o teclado do meu netbook, não sabia descrever se havia perdido quatro dias da minha vida lendo a obra ou se ela realmente queria provocar uma reflexão dentro de mim.
O livro realmente é bom, muito bom. Não poderia dizer que é mal escrito ou algo do tipo (até porque não sou uma especialista em Literatura, sou apenas uma curiosa que gosta de devorar livros). O enredo é muito bom, tanto é que me fez ficar grudada em frente ao computador durante quatro dias. Mas o final me causou grande decepção (Não quero ser spoiler, jamais terei esta intenção).
Mas a verdade é que os finais felizes que eu projeto não condizem muito com a realidade. Assim como o filme de Woody Allen, "Você Vai Conhecer O Homem da Sua Vida", no qual assisti semana passada, que me decepcionou por demais.
Por que eu projeto os finais felizes como nos filmes da Disney? Por que no final deste livro eu soluçava de tanta decepção? Porque no fundo, no fundo, eu tenho esperanças de que a vida possa ser um conto de fadas e que eu tenho um dom fabuloso de cantar pelo mundo e beijar o cara mais bonita da escola, é isso!
Talvez se o desfecho do livro fosse como eu imaginava e acredito que as leitoras da obra pensaram da mesma forma, com certeza seria mais difícil, talvez nem durasse, tampouco daria certo o relacionamento dos dois. Mas eu nutria esperanças, pequenas esperanças de que tudo pudesse ser diferente. Assim como a minha vida. Porque a verdade é que, quando nós desejamos com todas as forças de nossas almas que o desfecho de um livro/filme/série seja de uma forma é porque internamente desejamos aquilo para as nossas vidas.
Dura realidade não é? Sim, de fato. Se eu vou recomendar este livro para você? Bom, se você não estiver: triste, deprimido, solitário, recém sofrido um trauma, indico calorosamente está obra. Mas caso contrário, recomendo que você procure ler os livros da Agatha Christie que narram as histórias do casal Tuppence e Tommy Baresford, que com certeza você dará altas risadas.